quarta-feira, 30 de julho de 2014

O Naça e suas conquistas históricas.

Nenhum time do Amazonas conseguiu tal feito.

Até mais...

Campeão Nacional Centro/Sul - Norte/Nordeste.


O Nacional continuava sua grande caminhada, e disputou o Campeonato Nacional Centro/Sul x Norte/ Nordeste, vencendo todos seus adversários sagrou se campeão do Norte/Nordeste. A final seria disputada contra o Grêmio Maringá o campeão do Centro/Sul.

O Adversário.

Assim como o Nacional, o Grêmio Maringá teve de conquistar o torneio regional pra chegar à final, o clube que havia conquistado dois campeonatos paranaenses nos anos de 1963 e 1964 conquistou o Torneio Centro-Sul do ano de 1968. O Grêmio Maringá veio ainda a conquistar o Torneio dos Campeões da CBD de 1969, o que lhe deu uma vaga à Copa Libertadores da América, porém no ano seguinte a CBD resolveu proibir que seus clubes disputassem aquela edição, deixando aquele clube de fora.

A grande final.

A final do Torneio Nacional foi disputada no Maracanã lotado, num domingo 24 de Agosto de 1969, em preliminar ao jogo Brasil x Venezuela, valido pela Eliminatória da Copa do Mundo de 1970. A população amazonense estava ansiosa, festiva e esperançosa no clube.

Ao decorrer do jogo, logo aos 8 minutos do 1° tempo o grande Pepeta driblou três zagueiros adversários, invadiu a grande área e com potência fez o gol, neste momento o presidente da Federação Amazonense de Futebol Flaviano Limongi gritou:
"Fizemos História"
O time campeão no Maraca. Marialvo, Pedro Hamilton, Sula, Waldomiro e Téo, Mário e Rolinha, Zezé, Rangel, Pretinho e Pepeta. Alfredo Ferreira Pedras, o presidente campeão. (de terno)
Flaviano Limongi
Como campeão, o Nacional levou a população amazonense ao delírio, milhares de pessoas foram até o aeroporto da Ponta Pelada receber os "heróis" em carreata, de lá os jogadores seguiram no carro de bombeiros até a sede do clube, seguidos pela grande massa. A euforia da conquista foi tanta, que o então governador Danilo Areosa se viu obrigado a declarar ponto facultativo por dois dias. Até hoje essa é considerada a maior e mais festejada glória do Futebol Amazonense.

O guardanapo azul vira o mastro oficial do estado.

Em 1969 da conquista do titulo nacional Centro/Sul-Norte/Nordeste o ainda criança Mário Adolfo tirou a bandeira amazonense do mastro da residência oficial do governador para pôr um guardanapo azul e branco fazendo alusão ao Nacional. Segundo o mesmo diz no livro de Pepeta:

"Retirei o 'pavilhão azul' meio envergonhado, mas pelo menos por 5 minutos, o 'guardanapo do Naça' tremulou no mastro oficial da residência do governador!"
Mário Adolfo, consagrado jornalista amazonense.

terça-feira, 29 de julho de 2014

O eterno freguês.

Hoje, mais um capítulo da história do nosso futebol, específicamente, o Rio x Nal. 

1914 - O primeiro encontro. (Baú Velho)
Nacional e Rio Negro fizeram sua estreia na primeira edição do Campeonato Amazonense, em fevereiro de 1914, quando o torneio ainda era amador. O Naça estreou diante do Manaós, time que originou o início do processo de fundação do clube da Vila Municipal. Relatos históricos não confirmam o placar da partida. O Manaós sagrou-se campeão naquele ano, enquanto o Nacional terminou com o vice-campeonato. Em contrapartida, o Rio Negro, formado por jovens inexperientes, teve um desempenho oposto ao rival e acumulou derrotas expressivas. No mesmo campeonato, as agremiações estiveram frente a frente pela primeira vez, no Parque Amazonense, fundado em 1910, e foram nesses confrontos que ocorreram as duas maiores goleadas do Leão da Vila sobre o Galo (9 a 0 e 12 a 0). Neste ano, apenas cinco times disputaram o estadual.
Estádio da Colina, lotado.

Com uma melhor estrutura desde a sua fundação, o Nacional nos seus primeiros anos já despontava como uma potência do futebol local. Na mesma época, o Rio Negro se colocava como principal rival no campeonato local. O histórico do estadual entre 1916 e 1923 confirma: Foram sete títulos para o Nacional, o primeiro em 16, e um do Rio Negro, em 21, sendo que em todos os títulos conquistados pelo Nacional, com exceção de 19, o Galo foi o vice-campeão. O mesmo quadro se repetiu no único título do Barriga Preta.

Nessa época, sob influência do período da borracha, os primeiros torcedores dos clubes eram trabalhadores das firmas comerciais inglesas que existiam. Curiosamente, muitos eram estrangeiros (ingleses, franceses e portugueses). Os lusitanos foram os primeiros pedreiros que trabalharam na cidade. Até mesmo um clube foi fundado por conta do segmento, o Bancrévea Clube.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Só mesmo o Naça é capaz.

Campeão com 100% de aproveitamento em 74.
O palco da conquista. O nosso saudoso Vivaldão.

Em 1974 o Nacional fez a melhor campanha da história do Campeonato Amazonense de Futebol, o Leão da Vila conquistou um feito que até hoje se permanece único, o clube foi campeão vencendo todos seus jogos, que foram 10 naquela edição com direito a uma vitória pelo placar de 4-0 sobre o vice-campeão Rio Negro.
Outros detalhes foram o fato do clube ter tomado apenas 3 gols em todo o torneio, fazendo um total de 27 ficando com um saldo positivo de 24 gols. Até hoje nenhum clube sequer chegou perto do feito do Nacional.
O elenco nacionalino principal naquela temporada:

  • Os titulares: Procópio(G), Antenor, Renato, Eurico Souza e Luís Florêncio; Angelo e Rolinha; Ismael, Bibi, Paulo Isidoro e Reis.
  • Reservas que atuaram: Toinho(G), Djalma, Fausto, Jorginho, Said, Roberto, Expetido e Pedrilho.
  • Até mais...

Naça deu o pontapé inicial na nova domingueira.

O Parque Aquático do Nacional recebeu o grupo de pagode Toque de Samba, dando início a uma nova
fase do domingo de lazer, agora com o apoio das moças da torcida, Débora, Fernanda e Larissa, para o primeiro domingo, foi apenas regular, com um público foi apenas razoável, talvez por tratar-se do primeiro dessa nova fase e a pouca divulgação, até porque só iniciaria no dia 3 de agosto, como foi antecipado, é perfeitamente normal. Esperamos um aumento do público para os próximos eventos, mesmo porque haverá maior divulgação e a participação maciça das meninas. Feito isso, o público irá comparecer em maior número e o sucesso virá gradativamente. 
Até mais... 
Sidney e esposa prestigiaram.
 

sábado, 26 de julho de 2014

Nacional se despede do campeonato Júnior com derrota.

O clássico Rio x Nal de futebol Júnior, terminou com a derrota do Naça por 1x0, foi o pior campeonato que o mais querido participou, foi também um dos piores times, jogadores sem raça, sem vontade alguma, pra completar ficou sem treinador e não colocaram outro.

Sem preparador físico, sem treinador, como um time pode ir pra frente, se os atletas tivessem um pouquinho mais de garra, vontade de vencer, mas, a culpa não é de todo dos jogadores, o Nacional também tem sua parcela, errou feio nas escolhas.




Os vestiários do estádio Carlos Zamith, show de bola. Muito bom o estádio, campo bom, será muito bem vindo ao nosso campeonato.


Sobre o jogo, os times foram iguais em campo, ganhou aquele que fez o primeiro gol. O jogo seria 1x1, se o juiz tivesse marcado um pênalti a favor do Naça, mas, como sempre, na dúvida dá o contrário, fazer o que? 

Miro.
Bom público. Umas 300 pessoas foram conhecer o estádio.